top of page

Fit cultural: Como construir um time alinhado ao propósito da empresa?


Apple e Nike, quais são seus pontos em comum além do caráter revolucionário?


Desde o boom do Silicon Valley, a forma de empreender mudou, alguns dizem que para melhor, enquanto os empreendedores tradicionais se afastam e enxergam dia após dia seus negócios afundarem por não aceitarem que o mundo mudou. Processos mais rápidos, clientes mais exigentes, objetivos mais claros e metrificados, capital intelectual escasso. E com tantas variáveis e competitividade, como manter um time alinhado ao propósito real da empresa?


A resposta dessa pergunta permeia termos como determinação, objetivo e propósito, mas converge em um termo maior: Fit Cultural. Ao longo do tempo, empresas passaram a entender que o melhor investimento sempre será de pessoas com valores e sonhos compatíveis com os delas.



  • Cases de culturas organizacionais marcantes


Campanhas históricas como o Think Different da Apple ou Just do it da Nike representam muito mais do que apenas frases de efeitos atemporais, elas buscavam e até hoje buscam refletir o propósito da marca. O mesmo que está difundido nos designers que desenham os iPhones, os engenheiros que projetam o tênis que ganhará a próxima maratona e o consumidor que subirá no palco e irá tirar uma selfie com eles.


Quem trabalha e consome Apple, faz e usa muito mais do que celulares, computadores, fones e óculos de realidade virtual. Assim como na campanha de 1997, a Apple é para os loucos. Os rebeldes. Os criadores de caso. Os que veem as coisas de forma diferente. Enquanto alguns os veem como loucos, nós vemos gênios. Porque as pessoas que são loucas o suficiente para achar que podem mudar o mundo, são as que de fato, mudam.



Da mesma forma, o “Just Do It”: É sugestivo. É empoderador. Não deixa espaço para desculpas. Empreendedores, atletas e até consumidores comuns, se inspiram e absorvem a cultura da empresa, não é mais uma camisa, um short ou um tênis, você está vestindo e calçando um símbolo de triunfo, você não trabalha em uma empresa que vende roupas, você faz parte da Nike, você é a Nike.


Então, como aplicar a sua empresa uma cultura organizacional que reflita os valores dos fundadores e da marca? 

É muito comum quando gestores ou empresários vão contratar, que eles se atenham à procurarem por qualidades específicas, as famigeradas hard skills: Domínio de softwares, experiência de mercado ou proficiência em outras línguas. Mas de fato, o mais importante ao recrutar pessoas alinhadas ao objetivo da empresa é saber sobre seus soft skills, suas qualidades subjetivas.




  • Passos para definir a cultura organizacional de uma empresa


“Quais são os valores inegociáveis da minha empresa?”


Sua empresa preza pela tradição e conservadorismo dos costumes? Ou trata-se de uma empresa moderna, sem amarras e que se preocupa com a diversidade e pluralidade do time. Precisa de pessoas focadas e sem distração ou um ambiente corporativo que dependa de trabalho em equipe? Afinal, de que adianta pensar em quem sua empresa quer contratar, se você não sabe nem o que sua empresa representa? 



Gestores e RH


Agora, tendo definido seus valores, os gestores precisam transmitir ao RH aquilo que buscam, para definirem estratégias que filtrem e entreguem os candidatos mais propensos a adaptarem-se ao ambiente de trabalho desejado.



Entrevistas e dinâmicas


É necessário fazer perguntas e dinâmicas que investigam se o candidato pesquisou a fundo sobre a empresa, se ele realmente quer a vaga aquela vaga, se realmente quer fazer parte da sua empresa.  Todo empreendedor sabe que no dia a dia, muitas exigências são demandadas e provavelmente será preciso que as pessoas entreguem o melhor de si. Ter um colaborador que admire a empresa e que queira mais que uma vaga será determinante para como o empregado irá agir nos momentos de caos.



Seja sincero


Muitas vezes, ótimos talentos se decepcionam por receberem da empresa aquilo que esperavam. O alinhamento de expectativa é muito importante para evitarmos turnovers excessivos (taxa de rotatividade de colaboradores de uma empresa).



Em resumo, definir uma cultura organizacional sólida é equivalente a forjar um ambiente empresarial coeso e impactante. O conceito de "Fit Cultural" surge como a essência que entrelaça os valores e as metas do time ao DNA da empresa. Inspirados por paradigmas como as trajetórias da Apple e da Nike, percebemos que uma cultura robusta não apenas atrai, mas retém profissionais que internalizam genuinamente a essência organizacional.



Na Economus, levamos a sério a construção dessa cultura e, ao recrutar novos membros, priorizamos três aspectos essenciais:



1.Sonhador:

Na Economus, buscamos aqueles sonhadores audaciosos, que não têm medo de desejar o extraordinário. Valorizamos pessoas que trazem consigo uma visão inovadora e estão prontos a desafiar o status quo à todo momento. Acreditamos que os sonhos inspiram a inovação e impulsionam a empresa a novos horizontes.



2. Determinado:

A determinação é a força motriz por trás do sucesso na Economus. Queremos indivíduos que encaram desafios como oportunidades de crescimento, demonstrando resiliência e comprometimento. Aqueles que são movidos pela vontade de superar obstáculos e dobrar  a meta toda vez que for batida, os que são repletos de ambição.



3. Plural:

A diversidade é um pilar preponderante na Economus. Valorizamos a pluralidade de perspectivas, origens e experiências. Buscamos construir uma equipe que exalte a riqueza da diversidade, os diferentes e únicos promovem a criatividade e fortalecem nossa capacidade de enfrentar desafios complexos.



Esses princípios guiam à Economus a cada dia esbarrar com as melhores pessoas para nosso negócio, visando entregarmos o melhor para o sua empresa, assegurando que cada novo membro não apenas se alinhe à nossa cultura, mas também contribua para a vitalidade e progresso contínuo da Economus, e aí? Já pensou em contratar a Economus?




A Economus é uma empresa feita por universitários para o mercado brasileiro, com propósitos, objetivos e, principalmente, membros dispostos a fazer acontecer. Mas, afinal, o que é ser um membro da Economus ou, melhor, um economembro? A resposta mais adequada seria estar preparado para fazer o seu melhor, não importa quais desafios sejam postos à sua frente e ter paixão em crescer junto à empresa e ao MEJ!

Os nossos encontros presenciais com momentos de descontração nos tornam mais próximos, demonstram nossas particularidades e, ao mesmo tempo, nossas semelhanças. Afinal, é isso que queremos passar para os nossos contratantes. Somos obstinados, devotos, responsáveis e criativos. Pessoas dispostas a fazer acontecer e ir além do esperado. E é isso que a equipe de Gestão de Pessoas da Economus sempre procura nos novos membros, universitários dispostos a aprender e agarrar a oportunidade de participar, não somente da Economus, mas do calor que movimenta! - Juliana Bêta, consultora de Gestão de pessoas


32 visualizações0 comentário

Commentaires


bottom of page